Comece em você a mudança que deseja ver nos outros.

“As pessoas estão desacreditadas. Ver um povo escravo derrotar o opressor nos faz pensar que podemos construir uma nação livre, decente.” Vivian de Oliveira, autora da novela Dez Mandamentos, da Record – Folha de S.Paulo – 3 de abril

“A novela Os dez Mandamentos bateu recorde de audiência em 18 de setembro de 2015, apresentando números que a RecordTV não via depois de quatro anos quando exibia sua última novela de sucesso, Vidas em Jogo, e superando o principal telejornal e a principal telenovela da Rede Globo que posteriormente virou filme. Durante a pré-venda, o filme bateu vários recordes. Em duas semanas vendeu mais de 2 milhões de ingressos e bateu também o recorde de salas de cinema ocupadas no Brasil, cerca de 1.000 salas, algo inédito no País. Com vendas de ingressos em lotes e sessões nem sempre lotadas, o filme alcançou o posto de maior bilheteria brasileira desde 1970”

(Rede Record/ AdoroCinema)

A frase de Vivian me chamou atenção desde quando a li pela primeira vez na ocasião em que o filme os Dez Mandamentos estava prestes a ser lançado, após o sucesso da telenovela da Record. Refleti sobre a afirmativa da autora, fazendo uma analogia a própria situação crítica de nosso País. Seria esta, uma das razões de tamanha audiência? O povo está desacreditado. Carente de uma mensagem de esperança, refrigério, paz, nos permitindo ainda que por alguns minutos em frente a TV, vislumbrar uma possível mudança através da fé, unindo milhares de brasileiros ligados em cada capítulo durante a primeira e segunda temporada.

Cansados do mesmo discurso de derrota, violência, mentiras e corrupção em tempos de Lava Jato e delação premiada. Enfim, o que gostaria de salientar é a necessidade imediata que o mundo possui de “gente diferente” ou “gente que faz a diferença” independente do cenário moral e ético em que estamos mergulhados, das notícias, do que aponta o futuro, das ideias.

O mundo necessita de muito mais do que uma mensagem pode trazer. Precisamos de agentes de transformação que possam na prática provar que vale a pena acreditar.

Recentemente conversava com alguém, que compartilhava sobre sua dificuldade em confiar na mudança naquilo em que o ser humano se tornou. Da dificuldade em acreditar nas propostas de mudança, da possibilidade de agregar de forma positiva na vida do outro, sem que se vislumbre algo em troca a não ser o bem do próximo, simplesmente por amor. Assim como esta pessoa, muitas outras se encontram sem esperanças de um mundo melhor, ou ao menos de encontrar pessoas melhores em meio ao caos social e moral que se instalou não só em nosso país, mas no mundo.

Esta afirmativa me trouxe uma reflexão alarmante. Ainda estou fazendo muito pouco. Eu posso fazer mais, principalmente por que ainda tem muito para fazer.

Não posso mudar o cenário do mundo, mas posso contribuir para a mudança em minha volta. Isto não pode passar despercebido sequer por um dia.

Todos os dias e a todo tempo acontecem os assaltos, os assassinatos, a corrupção, a extorsão, a traição, o abandono, o descaso, os males que assolam esta e as nações do mundo. Por esta razão, precisamos emergencialmente produzir de forma dobrada, duplicada e incansável o melhor enquanto seres “semelhantes a Cristo” , buscando fazer diferença positiva na vida das pessoas.

Você já passou pela experiência de agir com boas intenções, com amor e presteza e algumas pessoas desconfiadas, acreditar que por trás de sua atitude havia uma intenção além de abençoar e ser útil? Já passei por isto inúmeras vezes e por outras alguns me perguntam : Mas por que você quer saber sobre esta pessoa? Por que você se importa? Outros dizem: Isto não é problema seu! Você já tem tantas coisas pra resolver, pra que se preocupar com isto?

A verdade é que ainda que com limitações, aprendendo todos os dias a superar minhas dificuldades e entendendo que ainda tenho muito que aprender, Deus quer fazer aquilo que Ele sabe que pode e quer através de mim e não o que eu acredito que posso ou quero. Se eu for fazer o que “acho que posso”, este artigo não teria nascido, uma vez que eu acreditava não ter muito com o que contribuir hoje por falta de inspiração. Mas tem coisas que só dependem de uma ação.

Assim como o livro de Josué capitulo 3 relata a história de Josué conduzindo o povo de Israel na travessia pelo rio Jordão, que somente após colocarem os pés na margem do rio é que este separou as águas, permitindo que o povo passasse a seco, assim devemos eu e você agir rumo aos nossos objetivos, visando contribuir na conquista de um mundo melhor. Ao invés de esperar do outro ou ver no outro a mudança que desejamos, precisamos agir, colocar os pés na margem do rio para então ele se abrir. Enquanto estamos observando, nada acontecerá. É preciso que eu faça a minha parte, mesmo se o outro acredita ou não.

Você pode fazer diferença na vida de alguém hoje. Agora. Neste momento.

Seja um sorriso, uma atitude gentil, uma demonstração de carinho, de solidariedade, ou simplesmente se colocar no lugar do outro já será um grande avanço.

Ainda que o mundo esteja desacreditado, ainda existe esperança de que se possa construir uma nação livre e decente e este compromisso é nosso.

E aí? O que você fazendo? Não podemos perder tempo.

Comece agora mesmo!

Abraços de 30 segundos.

Saudações inspiradoras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *